domingo, maio 31, 2009

Emerson - O Que Eu Já Vi Me Ensina a Crer

All I have seen teaches me to trust the Creator for all I have not seen.

(Tradução) Tudo o que eu já vi me ensina a crer no Criador em tudo o que eu ainda não vi.

-- Emerson

sexta-feira, maio 22, 2009

Um Estranho à Mesa do Jantar

Gostaria de deixar uma sugestão de livro: Um Estranho À Mesa do Jantar, por David Gregory, Ed. Mundo Cristão.

Além de ser uma leitura muito gostosa, o livro nos ensina razões do porquê o cristianismo é o único e perfeito caminho, através de uma ficção muito bem escrita.

Sugiro que, quando comprar o livro para ler, faça a compra de algumas unidades, não somente do seu livro. Você ficará tentado em dar o livro de presente para algum amigo que ainda não conhece ou não aceitou a obra de Jesus que nos coloca em comunhão com Ele.

Métodos de Datação - Você Já Pensou Nisso Antes?

Enviado por um amigo, por e-mail.

Frequentemente ouvimos a imprensa noticiar que algo foi achado com “milhões de anos”, um fóssil foi achado e tem “milhões de anos”, enfim, há mesmo verdade nessas datas? De onde tiram tais datas? É tudo engano para perverter a humanidade da verdade? Uma detalhada manobra das massas para afastar todos os que não buscam conhecer a verdade, longe dela?

Certa vez, em uma aula, usei uma proveta graduada para ilustrar aos meus alunos como funcionam os métodos de datação científica. Meu esquema mostrava uma torneira que pingava diretamente na proveta. Estava bem marcada, por isso meu público podia ver que a proveta tinha exatamente 300 ml de água. O diagrama também mostrava que a água pingava a uma taxa de 50 ml por hora. Perguntei:

– Há quanto tempo a água está pingando na proveta?

– Seis horas – responderam imediatamente alguns deles.

– Muito bom. Como vocês descobriram?

– Dividindo a quantidade de água na proveta (300 ml) pela taxa (50 ml/h).

– Excelente! – disse eu. Vocês veem como é fácil calcular cientificamente a idade de alguma coisa? Todos os métodos de datação que os cientistas usam funcionam exatamente do mesmo modo. Consistem em medir algum fator que está mudando com o passar do tempo.

Os alunos começaram a relaxar quando entenderam que a datação científica não é tão difícil. Então eu os surpreendi:

– O problema é que seis horas é a resposta errada. Todos eles me olharam perplexos e desconfiados.

– Eu montei esse experimento e posso lhes dizer que a água está pingando há apenas uma hora. Vocês podem me dizer o que aconteceu?

Depois de se recuperarem do choque, alguém perguntou:

– A torneira estava gotejando mais rápido antes?

– Pode ser – respondi.

– A proveta estava quase cheia quando você começou o experimento?

– Talvez. Mas vocês percebem o que estão fazendo? – perguntei – A fim de calcular uma idade vocês fizeram suposições sobre o passado. Vocês assumiram que a taxa sempre foi 50 ml/h e que a proveta estava vazia quando o experimento começou. Baseados nessas suposições vocês calcularam o tempo de 6 horas.

(Balançaram as cabeças afirmativamente.)

– Vocês ficaram perfeitamente satisfeitos com aquela resposta. Ninguém a desafiou.

(E eles concordaram.)

– Então, quando eu lhes contei a resposta certa, perceberam o que fizeram? Vocês rapidamente mudaram suas suposições sobre o passado a fim de que concordassem com a idade que eu disse a vocês.

Cada cientista deve primeiro fazer suposições sobre o passado antes que possa calcular uma idade. Se o resultado parece concordar com as suposições, ele o aceita alegremente. Mas se não concordar com outra informação, ele mudará suas suposições para que sua resposta seja coerente.

Não importa se a idade calculada é muito velha ou muito jovem. Sempre há muitas suposições que um cientista pode fazer para obter uma resposta consistente.

Subitamente, luzes se acenderam sobre a cabeça de meus ouvintes. Meu público viu, em poucas palavras, como funcionam os métodos de datação. A datação científica não é uma forma de medir, mas uma forma de pensar.

quarta-feira, maio 20, 2009

Quero Ser Excomungado

Recebi esta carta de um amigo meu. Abaixo, ela na íntegra, conforme ele me enviou.

Sai dela, povo meu, para que não sejas participante dos seus pecados, e para que não incorras nas suas pragas.

Apocalipse 18.4

"QUERO SER EXCOMUNGADO"

Ao Sr. Joseph Alois Ratzinger

Chefe do Estado do Vaticano e Líder da Igreja Católica Apostólica Romana

Inicialmente, gostaria de lhe dizer que os títulos de "papa" ou "padre" são ilegítimos e contrários às Escrituras. A palavra "papa", como sabemos, vem do latim papa ou pappa, "papá" ou "papai", "tutor", derivado por sua vez do grego πάππας, páppas, sendo uma forma afetuosa de "pai". O mesmo ocorre com o título "padre", que procede do latim pater patris, e significa "pai dos pais", sendo, também, contrário às Escrituras. [1]

Espiritualmente falando, só tenho um Pai que está no céu, que é Deus. Somente o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus pode usar este nome. A Bíblia nos diz: "E a ninguém na terra chameis vosso pai, porque um só é o vosso Pai, o qual está nos céus". (Mateus 23:9). Portanto, tais títulos católicos são blasfemos e heréticos. Por isto, não me referi ao senhor com o título de "papa", pois não o reconheço como "pai".

Aliás, é bom esclarecer que só posso chamar Deus de Pai, porque nasci de novo, pela fé em Jesus Cristo. Caso contrário, eu seria mera criatura. Para ser filho de Deus é necessário nascer de novo (Jo 1:12-13; Mt 5:9, 44-45; Lc 6:35; Jo 12:36; Rm 8:14-16; 9:26; Gl 3:26; 4:5, 7; Ef 1:5; 2:3; 5:1, 8; 1 Jo 3:1; 3:10).

Também, não há que se falar em "sacerdotes", pois não há nenhum ser humano que possa ser mediador entre Deus e os homens. Somente JESUS CRISTO é o Mediador: "Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem" (1 Timóteo 2:5).

Os sacerdotes existiram somente nos tempos do Antigo Testamento (Hb 7:28). Jesus Cristo é nosso Sumo Sacerdote, conforme lemos: "Visto que temos um grande sumo sacerdote, Jesus, Filho de Deus, que penetrou nos céus, retenhamos firmemente a nossa confissão. Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém, um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado". (Hb 4:14-15). Portanto, não reconheço nenhum líder dessa religião como "sacerdote".

Quanto ao blasfemo título de "vigário de Cristo", a Bíblia nos mostra que o Vigário (Substituto) de Cristo é o Espírito Santo e não homens falíveis e pecadores como os "papas" e "padres" católicos: Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito". (Jo 14:26). "Todavia digo-vos a verdade, que vos convém que eu vá; porque, se eu não for, o Consolador não virá a vós; mas, quando eu for, vo-lo enviarei". (Jo 16:7) [2]

Assim, dirigindo-me ao líder máximo dessa instituição política e religiosa, venho, pela presente, solicitar que me faça o favor de deletar, de uma vez por todas, meu nome do rol de membros dessa herética religião, conhecida como "igreja católica apostólica romana", cuja nomenclatura, por sua vez, também não tem a menor fundamentação bíblica.

Aliás, é sempre bom lembrarmos que essa falsa religião NÃO É (e nunca foi):

- igreja: pois é um falso Cristianismo, por pregar um "outro evangelho". Suas práticas, dogmas, crendices e superstições são heréticas e antibíblicas; [3]

- católica: por não ser universal; pelo menos, quanto à legitimidade da mesma. Nós, os crentes fiéis à Bíblia, abominamos tal instituição religiosa e a sua suposta universalidade;

- apostólica: por não ser originada nos primeiros apóstolos da igreja primitiva; pois, sabemos que só existiram 14 apóstolos (os 12 iniciais, incluindo Judas. Depois, este foi substituído por Matias. E, depois, veio o apóstolo Paulo, como um abortivo). Após a morte do apóstolo João, na Ilha de Patmos, não houve mais o ofício de apóstolo.

Com relação à invencionice da sucessão apostólica, leiamos o trecho a seguir: "Pedro não possui o primado, porque ele mesmo diz que não é a Pedra mencionada em (Mt 16:18): E, chegando-vos para ele, pedra viva, reprovada, na verdade, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa, vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo. Por isso também na Escritura se contém: Eis que ponho em Sião a pedra principal da esquina, eleita e preciosa; e quem nela crer não será confundido. E assim para vós, os que credes, é preciosa, mas, para os rebeldes, a pedra que os edificadores reprovaram, essa foi a principal da esquina, e uma pedra de tropeço e rocha de escândalo, para aqueles que tropeçam na palavra, sendo desobedientes; para o que também foram destinados (1 Pe 2:4-8 ACF). A Pedra é Cristo (1 Co 3:11). E Ele, Cristo, e somente Ele é o fundamento da Igreja. Foi assim que Pedro e os demais apóstolos entenderam a mensagem que Cristo disse no Getsêmani; e que Roma a deturpou. Nunca houve, não há, e jamais haverá sucessão apostólica. Existiram quatorze apóstolos na história da Igreja e jamais existirão outros".[4]

- romana: Pedro não foi "papa" e não esteve em Roma. Essa falsa religião (a ICAR) surgiu oficialmente com o imperador romano Constantino e não como uma continuidade apostólica em sequência ao apóstolo Pedro. Ela não tem como traçar sua história anteriormente a 313 d.C., data em que Constantino adotou o "Cristianismo" como religião oficial do império romano. Em 400 d.C., o império romano decretou que o Cristianismo (paganizado) era a única religião do império. Portanto, a igreja católica não deveria se autodenominar "romana", mas "constantiniana"!

Por essas e outras, o senhor me fará um grande favor em deletar meu nome, anulando de seus registros o meu "batismo infantil", que é uma outra heresia, pois criança não tem como crer e, portanto, não pode e não deve ser batizada (Mc 16:16). Lembre-se que a tal "regeneração batismal" que sua religião ensina, também é uma grande heresia, pois batismo não salva ninguém. O ladrão que morreu na cruz, ao lado de Jesus Cristo, não foi batizado, mas foi salvo mesmo assim, como nos ensina Jesus Cristo (Lc 23:43). Devemos ser batizados apenas como um testemunho público de nossa fé em Jesus Cristo, por ser uma ordenança bíblica para os que nEle crêem.

Anule também minha "primeira comunhão", outra grande blasfêmia, pois Jesus Cristo está vivo, assentado à destra do Pai (Hb 10:12) e jamais estaria num biscoito de farinha de trigo, que é oferecido aos incautos nas blasfemas missas.[5]

Anule, ainda, o tal "sacramento da crisma", ao qual fui submetido quando criança, pois não dependo de imposição de mãos de qualquer "sacerdote" para receber os dons do Espírito Santo. Tal fato ocorreu, automaticamente, quando de minha conversão a Jesus Cristo (At 2:38; 1 Co 1:7, 7:7).

Escrevo-lhe esta carta, não pelo fato de que eu precisasse de sua autorização para sair do domínio papal; mas, é para apagar, de uma vez por todas, qualquer vínculo com essa enganosa religião, que é um falso Cristianismo, desde o seu surgimento e tem enganado milhões, ou melhor, bilhões de almas neste mundo.

Não tenho o menor temor em ser excomungado por essa falsa religião, como ocorre com tantos católicos que temem que isto lhes aconteça um dia. Ser excomungado deve ser motivo de grande honra para qualquer cidadão que conheça as Escrituras, sendo assim, liberto do jugo papal. Até porque, com a verdadeira conversão a Jesus Cristo, as pessoas saem correndo dessa herética religião.

A Bíblia, ao se referir à igreja católica, a grande prostituta de Apocalipse 17, a Babilônia, assim nos exorta: "... Sai dela, povo meu, para que não sejas participante dos seus pecados, e para que não incorras nas suas pragas" (Ap 18:4).

É de livre e espontânea vontade que me declaro NÃO CATÓLICO há mais de oito anos. Biblicamente convicto, já abandonei os arraiais de Roma há tempos. Aliás, antes mesmo de minha conversão eu já havia parado de frequentar a igreja católica, há algum tempo, pois procurava pela VERDADE!

Minha conversão se deu por obra do Espírito Santo, quando conheci a verdade que liberta: a Palavra de Deus. Assim, conheci o plano de salvação estabelecido por Deus, independente de qualquer religião. [6] Meu Senhor e Salvador Jesus Cristo declarou: "E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará". (Jo 8:32). Ele é o único Caminho: "Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim" (Jo 14:6).

Glórias, pois, a Deus, que um dia teve misericórdia de mim e retirou a cegueira de meus olhos, livrando-me do engodo religioso ao qual havia pertencido, desde minha infância, por ser oriundo de uma família católico-romana, haja vista viver num país com grande influência dessa religião. Isto foi culpa dos colonizados portugueses e espanhóis que para cá vieram, trazendo alguns padres, sua influência católica e suas superstições (por isto, nosso país é tão atrasado em todos os sentidos, escravizado e cheio de crendices e superstições, já desde seu descobrimento, como ocorre com todos os países dominados pela religião romana).

Quanto aos aspectos legais, afirma o Cânone 751 do Código Canônico dessa igreja: "Diz-se heresia a negação pertinaz, depois de recebido o batismo, de alguma verdade que se deve crer com fé divina e católica, ou ainda a dúvida pertinaz acerca da mesma; apostasia, o repúdio total da fé cristã; cisma, a recusa da sujeição ao Sumo Pontífice ou da comunhão com os membros da Igreja que lhe estão sujeitos".

Assim, no momento exato em que ocorreu minha conversão a Jesus Cristo, e minha saída, de uma vez por todas, dessa religião, cometi (segundo ensina sua religião) dois dos "pecados" acima destacados: a heresia e o cisma.

A heresia se trata da negação ou dúvida pertinaz de uma verdade que deve ser crida com fé divina e católica da parte de um batizado. No cânone 750, indicam-se quais as verdades de fé divina e católica (crer no "magistério" e na "tradição católica").

Eu, por seguir exclusivamente a Palavra de Deus, que é minha única regra de fé e prática (Is 8:20, 30:8; Sl 19:7,8; Dt 4:2; Mt 15:2, 6, 9; Ap 22:18), não aceito, de forma alguma, o magistério dessa igreja, nem as falácias de suas tradições e invencionices humanas (Mt 15:3, 6; Cl 2:8; 2 Ts 3:6).

Também, não oro a santos, nem a Maria. Oro diretamente a Deus, não usando de vãs repetições como ensina essa religião, pois isto é condenado pelas Escrituras (Mt 6:6-8; Fp 4:6; 1 Jo 5:15).

Tenho a informar, ainda, que a "deusa" que vocês inventaram (a chamada "Nossa Senhora") não é minha mãe, muito menos "mãe de Deus" como ensina sua religião. Deus é Espírito, é Eterno, Ele não tem "mãe". [7] Jesus Cristo sempre existiu, pois Ele é Deus, é Eterno, e Maria foi apenas Sua mãe humana, visto ser Ele 100% Deus e 100% Homem. Maria é apenas minha irmã em Cristo, uma humilde "serva do Senhor", como ela mesma fez questão de frisar (Lc 1:38) e também careceu de um Salvador, por ser ela um ser humano (e não um ser divino), descendente de Adão e Eva (Lc 1:47). O único que foi concebido sem pecado foi Jesus Cristo!

Como o senhor pode ver, sou, de acordo com seu Código Canônico, um "herege". Na mesma situação minha, encontram-se todos aqueles a quem vocês chamam de "protestantes" (mas que, atualmente, em virtude do ecumenismo, sua religião resolveu denominá-los "irmãos separados", numa estratégia política, hipócrita e subreptícia, para enganar os incautos e tentar trazê-los de volta ao domínio papal).

Não sou protestante, pois sou Batista e os batistas não se originaram no evento conhecido como "Reforma Protestante". Pelo contrário, foram perseguidos por Roma e a História registra que mais de 50.000.000 de batistas (fora outros) sofreram o martírio por não aceitarem as heresias da "regeneração batismal" e o "batismo infantil" ensinados pela igreja católica (isto tudo ocorreu muito antes da Reforma Protestante)!!! [8]

Quanto ao cisma, ele é definido no cânone 751 como a recusa de sujeição ao "Sumo Pontífice" ou de comunhão com os membros da igreja católica a ele sujeitos. Quem se subtrai à obediência da igreja católica e à comunhão constitui-se propriamente um "cismático", independentemente do motivo que haja para tanto.

Como se não bastasse minha "heresia", sou também um "cismático", pois há tempos não frequento igrejas católicas, não vou a missas, não confesso pecados a "padres", não me sujeito ao "papa", etc. A Bíblia nos ensina que devemos confessar nossas "culpas" aos irmãos (Tg 5:16); mas, nossos pecados, devem ser confessados diretamente a Deus (Sl 32:5; Pv 28:13; Dn 9:4, 20; 1 Jo 1:9).

Estou, pois, manifestando, por escrito, minha rejeição formal à igreja católica e aos seus heréticos ensinos, e espero obter o reconhecimento de meu "cisma" e "heresia", conforme seu Código Canônico.

É bom lhe esclarecer, em tempo, que não cometi o pecado da "apostasia", acha vista que jamais repudiei minha fé cristã. Pelo contrário, com minha conversão a Jesus Cristo é que nasci de novo (Jo 3:3, 5) e, assim, tive o privilégio de tornar-me um verdadeiro cristão. A religião católica, sim, é que é apóstata desde o seu surgimento, com o imperador Constantino, e devia, portanto, se autoexcomungar (se possível fosse), por ser ela mesma a total apostasia em si, a Prostituta (Ap 17).

Antes, eu pensava ser cristão, mas não era (como todo católico), pois a ICAR jamais foi o verdadeiro Cristianismo, mas se trata de um sistema político-religioso pagão, com práticas heréticas e antibíblicas, que apresenta um outro "Jesus" que não é o Jesus Cristo da Bíblia. O "Jesus" de vocês é "sacrificado", cotidianamente, em cada missa que é celebrada (contrariando Hb 7:25-27, 9:24-26, 10:12), além de após quase 2.000 anos de Sua ressurreição, ainda ser apresentado morto em uma cruz sangrenta, um objeto de vergonha e escárnio (Gl 3:13). Quanta blasfêmia!!!

Vejamos esta citação que bem resume o que quero dizer: "O Jesus dos católicos romanos que eu conhecia era o Cristo do crucifixo, com seu corpo continuamente dependurado na cruz, simbolizando, de forma apropriada, o sacrifício repetido perpetuamente na missa e a Sua obra de salvação incompleta. Aproximadamente há dois milênios, o Jesus da Bíblia pagou totalmente a dívida dos meus pecados. Ele não necessita mais dos sete sacramentos, da liturgia, do sacerdócio, do papado, da intercessão de Sua mãe, das indulgências, das orações pelos mortos, do purgatório, etc. para ajudar a salvar alguém. Os católicos romanos dizem que amam a Jesus, mesmo quando se chamam de católicos carismáticos, católicos "evangélicos", ou católicos renascidos, mas na verdade eles amam um Jesus que não é o Jesus bíblico. Ele é "um outro Jesus"." [9]

Outrossim, apesar de estar solicitando oficialmente minha excomunhão, sei, pela leitura dos cânones dessa "igreja", que já fui (ou deveria ter sido) excomungado, automaticamente, no momento da minha conversão a Jesus Cristo. Quando isto ocorreu, percebi que a religião católica é uma farsa, um embuste, e nunca mais entrei numa igreja católica, nem me submeti a qualquer "autoridade" de sua liderança. Por ser considerado, consequentemente, "herege" e "cismático" já estaria excomungado automaticamente, o que me pouparia de escrever a presente carta.

O Cânone 1.364, §1, (sem prejuízo do disposto no cânone 194, §1, n.2) diz que um "apóstata da fé, um herege, ou um cismático" incorre na excomunhão latae sententiae; ou seja, automaticamente!

Portanto, existe, na realidade, uma MULTIDÃO DE EXCOMUNGADOS! Todos os que nasceram de novo, pela fé em Jesus Cristo (Jo 3:3, 5), deixando essa herética religião, por não crerem em seus dogmas, tradições, práticas e "sacramentos", já podem se considerar excomungados! TODOS os que se tornam "filhos de Deus", deixam de ser, automaticamente, "filhos de Roma"; pois, tais situações são totalmente antagônicas e irreconciliáveis!

Assim sendo, mesmo já estando excomungado, automaticamente, conforme prevê seu Código Canônico, gostaria de formalizar meu pedido de excomunhão, pois, caso tenha havido um esquecimento por parte da liderança dessa igreja em me excomungar, aproveito para formalizar este pedido.

Já que essa igreja considera "católico", por exemplo, todos os que nascem num país católico (como é o caso do Brasil), por descenderem de famílias católicas (engrossando, assim, o número de "adeptos" dessa religião), aproveito para solicitar a retirada do meu nome dessa imensa lista, para mostrar que a verdade não é bem assim como os números mentirosos indicam.

Face o exposto, exijo que seja declarada minha excomunhão, imediatamente e ex officio, nos termos do que dispõe o § 1.º do Cânone 1364 do Código Canônico.

Declaro que não há a menor chance de eu vir a me arrepender desta decisão, pois ela é feita de forma bíblica, consciente, livre, irretratável, irrevogável e inarrependível.

Tenho plena convicção do que ensinam as Escrituras e plena certeza e garantia de minha salvação eterna e imperdível, por confiar única e exclusivamente em JESUS CRISTO e não em vãs tradições humanas ou em religiões! Sou salvo pela graça, mediante a fé, e não por obras (Ef 2:8-9).

Disse JESUS CRISTO: "Todo o que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora". (Jo 6:37)

Atenciosamente,

Luis Henrique L'Astorina Nunes do Amaral

Ex-católico, filho de Deus, salvo eternamente pela fé em Jesus Cristo

14/05/09


NOTAS:

[1] Fonte: Wikipédia – A enciclopédia livre, disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Papa e em http://pt.wikipedia.org/wiki/Padre

[2]
a) Papas Têm Clamado Ser DEUS , Traduzido por Marco Aurélio de Castro Lima, disponível em: http://www.solascriptura-tt.org/Seitas/Romanismo/PapasTeemClamadoSerDeus-TGroppi.htm

b) Os Vigários de Cristo, Mary Schultze, disponível em: http://www.cpr.org.br/Os_Vigarios_de_Cristo.htm

[3] Doutrinas católicas romanas examinadas somente à luz das Escrituras Compilação por Keith L. Brooks, D.D. Tradução por Valdenira N. M. Silva, Out. 2000, disponível em: http://www.solascriptura-tt.org/Seitas/Romanismo/Brooks-DoutRomaniALuzEscrit-Tudo.htm

[4] Breve refutação da infalibilidade papal - Por Rodrigo Silva Barros, disponível em: http://br.groups.yahoo.com/group/solascripturatt/message/2721

[5] O Biscoito da Morte, disponível em: http://www.chick.com/reading/tracts/0816/0816_01.asp

[6] O Plano simples de Deus para sua salvação, disponível em: http://www.scribd.com/doc/6301730/O-Plano-Simples-de-Deus-Para-a-Sua-Salvacao

[7] Deus não tem "mãe", autor: Humberto Fontes, disponível em: http://www.scribd.com/doc/7825843/DEUS-NAO-TEM-MAE

[8]
a) Batistas não são protestantes, autor: Vernon C. Lyons, tradução por Steve Montgomery, disponível em: http://solascriptura-tt.org/EclesiologiaEBatistas/BatistasNaoSaoProtestantes-Lyons.html

b) Livro "O Rasto de Sangue", autor: Dr. J. M. Carroll, disponível em: http://www.palavraprudente.com.br/estudos/jm_carroll/rastrosangue/cap01.html

[9] Qual Jesus? Autor: T. A. McMahon, disponível em: http://www.chamada.com.br/mensagens/qual_jesus.html


LEITURAS RECOMENDADAS:

1) Carta de Ex Católico, aos Católicos, autor: Nivaldo Rodrigues, disponível em: http://www.solascriptura-tt.org/Seitas/Romanismo/CartaExCatolicoAosCatolicos-NivaldoR.htm

2) Por que deixei o Romanismo, autor: Hélio de Menezes Silva, disponível em: http://www.solascriptura-tt.org/Seitas/Romanismo/PqDeixeiRomanismo-Helio.htm

3) Vários artigos sobre o herético Catolicismo Romano, disponível em: http://www.espada.eti.br/catolica.htm

4) Vários estudos sobre o herético Catolicismo Romano, disponível em: http://www.monergismo.com/?secao=catolicismo

5) Livro online, "Por amor aos católicos romanos", disponível em:
http://www.chick.com/reading/books/0221/0221cont.asp

6) Lista de Heresias e Tradições Humanas Adotadas e Perpetuadas pela Igreja Católica Romana, ao longo de 1.600 anos, Compilado pelo Rev. L. Testa. Tradução: Gustavo Stapait 02/02, Revisão: Calvin G. Gardner 03/02, disponível em: http://www.palavraprudente.com.br/estudos/variosautores/micelanea/cap15.html

7) Livro "Cristianismo Pagão", autor: Frank Viola, disponível em: http://www.editorarestauracao.com.br/arqs/CRISTIANISMO%20PAGAO.pdf

terça-feira, maio 19, 2009

Esdras 4

O aparente egoísmo de não deixar com que os samaritanos ajudassem na reconstrução do templo se torna pedra no sapato daqueles que, na verdade, zelavam pela pureza na construção do sagrado templo.

Assim levantou-se grande oposição à construção, a ponto de enviarem uma carta ao rei Artaxerxes sugerindo que proibisse a construção da obra. Eis sua resposta a carta enviada:

Ao comandante Reum, ao secretário Sinsai e aos seus demais companheiros que vivem em Samaria e em outras partes, a oeste do Eufrates: "Saudações de paz! "A carta que vocês nos enviaram foi traduzida e lida na minha presença. Sob minhas ordens fez-se uma pesquisa, e descobriu-se que essa cidade tem uma longa história de rebeldia contra os reis e que tem sido um lugar de rebeliões e revoltas. Jerusalém teve reis poderosos que governaram toda a região a oeste do Eufrates, aos quais se pagavam impostos, tributos e taxas. Ordene agora a esses homens que parem a obra, para que essa cidade não seja reconstruída enquanto eu não mandar. Tenham cuidado, não sejam negligentes neste assunto, para que os interesses reais não sofram prejuízo (Ed 4.17-22 NVI).

A obra ficou parada até o segundo ano do reinado de Dario.

Esdras 3

Com o povo de Israel já de volta à sua terra e reunidos como um só homem em Jerusalém (v.1), iniciaram o trabalho de reconstrução do altar para sacrificarem holocaustos conforme Moisés, homem de Deus (v.2), estipulara na Lei. Mesmo antes de erguerem os alicerces do templo, eles já haviam começado a oferecer holocaustos a Yahweh.

Não foi apensas o altar que começaram a reconstruir. Com a supervisão dos levitas e trabalho dos pedreiros e carpinteiros, eles começaram a reconstrução do templo.


Quando lançaram os alicerces, todo o povo louvou Yahweh em alta voz (v.11). Os levitas cantavam: Ele é bom; seu amor a Israel dura para sempre (v.11). No entanto alguns mais velhos choravam, pois tinham visto o antigo (glorioso) templo.

Entre tanto barulho, não era possível distinguir os gritos de alegria e o som do choro.

Esdras 2

A lista dos exilados por Nabucodonosor que voltaram para Jerusalém e Judá é apresentada: israelitas, sacerdotes, levitas, cantores, porteiros do templo, servidores do templo, descendentes dos servos de Salomão e outros que não puderam comprovar a descendência israelita ou sacerdotal. Este último grupo tinha de esperar um sacerdote capaz de consultar o urim e tumim.

Esdras 1

Ciro, rei da Pérsia, tem o coração desperto por Yahweh para proclamar o edito que foi o cumprimento da profecia de Jeremias (Jr 25.11,12; 29.10).

O SENHOR, o Deus dos céus, deu-me todos os reinos da terra e designou-me para construir um templo para ele em Jerusalém de Judá. Qualquer do seu povo que esteja entre vocês, que o seu Deus esteja com ele, e que vá a Jerusalém deJudá reconstruir o templo do SENHOR, o Deus de Israel, o Deus que em Jerusalém tem a sua morada. E que todo sobrevivente, seja qual for o lugar em que esteja vivendo, receba dos que ali vivem prata, ouro, bens, animais e ofertas voluntárias para o templo de Deus em Jerusalém (Ed 1.2-4)

Todos aqueles cujo coração Deus despertou, dispuseram-se a ir para Jerusalém. Eles tiveram ajuda de seus vizinhos que lhe deram utensílios de prata e ouro. Ademais, Ciro entregou a eles os utensílios outrora sacado por Nabucodonosor, totalizando 5400 utensílios de ouro e prata.

segunda-feira, maio 18, 2009

Cicatrizes do Passado

Todos nós somos pecadores (Rm 3.12). Educados ou não com os valores da igreja cristã, todos nós acabamos infligindo a vontade de Deus em algum ponto, em algum momento (cf. Tg 2.10).

Na minha experiência tenho notado que as pessoas que se achegam à igreja sem antes ter o ensino das escrituras através, de por exemplo, dos pais, percebem mais nitidamente ou intensamente a graça de Deus e a transformação que a presença do Espírito Santo causa. Digo que estes, enxergam suas cicatrizes (marcas do pecado) mais facilmente - entenda que esta é uma visão macro de minha limitada experiência.

Creio que tais pessoas possuem muitas e maiores cicatrizes em seu corpo e por isso, são mais facilmente notadas por sua visão e tato. A experiência vivida fora da igreja conduz o novo crente em Jesus Cristo à mudanças drásticas de paradigma.

Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque são opostos entre si (Gl 5.17a).

Tais cicatrizes são memórias do prazer que não agrada a Deus. A ciência disso leva o novo convertido, habitado pelo Santo Espírito de Deus, e portanto Seu filho, a conduzir sua vida contra as próprias experiências passadas, em direção ao caminho que Deus o quer. No entanto há certos momentos que a carne, impulsionada pela liberdade do homem, inerente com o pecado, enxerga tais cicatrizes e como memória, incentiva o coração do homem (já inclinado à corrupção - Jr 17.9) a ter seu prazer no pecado, longe da vontade de Deus.

É necessário disciplina para que as cicatrizes que cobrem todos os corpos de todos os crentes sejam memoriais do pecado. Quando olhamos para elas, devemos relembrar que nem sempre estivemos protegidos pelas asas de nosso Deus, que cuida de Seus filhos. Somos capazes de vencer o pecado por causa dEle, que nos protege de tentações que não venceríamos, não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar (1Co 10.13) e porque contamos com Sua força em nós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa (Ef 1.13). Lembre-se, Jesus Cristo não nos livrou de sermos pecadores, mas da condenação merecida por causa de nossos pecados. Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus (Rm 8.1).

Olhar nossas cicatrizes e não nos orgulharmos delas é trabalho cotidiano. Devemos ter em mente que precisamos do Senhor para não retornarmos ao lamaçal e nos contentarmos com a falsa delícia de uma alfarroba.

quinta-feira, maio 14, 2009

Esdras Introdução - Resumo

O livro de Esdras recebeu este nome em função de seu personagem principal, o escriba judeu Esdras.Este autor crê que a data da chegada de Esdras a Jerusalém foi em 457 a.C., mas há um grande debate sobre este número (consulte Merece Confiança o Antigo Testamento? por Gleason L. Archer, Jr- Vida Nova).

Segundo o Manual Bíblico da Vida Nova o tema de Esdras é:
Deus usou reis pagãos e líderes fiéis para restaurar seu povo pela reinstituição do culto no templo e pela reativação da lei de Moisés.

Segundo Carlos Osvaldo Cardoso Pinto (Foco e Desenvolvimento no Antigo Testamento*), a mensagem de Esdras se resume na seguinte sentença:
O restabelecimento de Israel como comunidade adoradora na Terra Prometida exigia um reavivamento da verdadeira religião da aliança com a separação necessária das influências gentias para a lealdade ao Deus das promessas.

Segundo David Merkh, uma frase resumo seria:
Esdras diz sobre restauração
Primeiramente o Templo, logo a nação.


* Recomenda-se a leitura deste livro

quarta-feira, maio 13, 2009

Martinho Lutero - Teologia da Cruz

Martinho Lutero (1483 - 1546) nasceu em um período problemático da igreja: os cristãos eram inquietos, as igrejas mundanas e os reformadores moralistas. A teologia popular dizia: "esforce-se ao máximo e espere pelo melhor".

Sua experiência de proximidade com a morte devido a uma tempestade relembrou-o de sua mortalidade. Assim, depois de ter se graduado em direito, espantou a todos seus amigos quando disse que iria para o monastério (agostiniano).

Seu grande desejo era ter a certeza da salvação, mas suas ações condizentes à tradição eclesiástica não o ajudou. Ele havia esgotado os meios católicos conhecidos de obter a segurança de estar eternamente ao lado de Deus.

Durante seus estudos de Salmos e Romanos, Lutero percebeu que somos justificados somente pela fé e Deus nos declara justos sem levar em conta nossa condição imperfeita e incapaz. Por causa do sacrifício de Jesus Cristo, que é posta a nós (os que creem), tornamos-nos filhos dEle. Lutero disse que os "portões do paraíso" se abriram diante de seus olhos quando ele entendeu que a justiça de Cristo é imputada em nós.

A Teologia da Cruz

Lutero pregava que a base do entendimento da verdade bíblica eram paradoxos, ou seja, uma declaração que é aparentemente contraditória (ex. Mt 10:39). A teologia cristã falha quando utiliza-se da lógica linear. Seus pensamentos eram explanações de 1Co 1.25:

Porque a loucura de Deus é mais sábia do que os homens;
e a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens.

Lutero restaurou a centralidade da teologia cristã, a cruz. A única salvação segura é aquela que renuncia às obras. Ele dizia que a glória de Deus é ampliada, não diminuída, quando pensamos e falamos sobre Ele nos termos da crucificação, pois Ele se mostra como de fato é.

A ideia do paradoxo acompanha o desenrolar do pensamento de Lutero, que sobre a salvação diz: "Cristo, que é percebido pela fé, é a justiça cristã. Por causa dele, Deus nos fez justos e garantiu a nossa vida eterna." Não é através de nossa justiça que somos justificados. A morte de Cristo é a conquista que me salva, não os meus torpes passos na equivocada imaginação da possibilidade de subir uma escada que me conduz aos céus. Somente a fé pode fazer o homem capaz de entender essa realidade paradoxal.

Paul Althus, ao falar sobre os paradoxos de Lutero, conclui: "crer significa viver em contradição constante com a realidade empírica e confiar no que não pode ser visto" (The Theology of Martin Luther).

Lutero trata de diversos outros paradoxos, como o da dor, verdade, ministério, todos através de uma ótica que tem a cruz como lente. É dessa forma que devemos olhar para a Palavra de Deus, lembrando o que Lucas (Lc 24.27) disse sobre Jesus: E, começando por Moisés, discorrendo por todos os Profetas, expunha-lhes o que a seu respeito constava em todas as Escrituras.

Cristo deve ser a centralidade da boa notícia (evangelho) e a cruz, parte fundamental para entendermos Sua vida e propósito, que deve englobar nossa cosmovisão. Martinho Lutero soube assim proceder.

Mark Shaw, Lições de Mestre (SP: Mundo Cristão, 2004).

segunda-feira, maio 11, 2009

sexta-feira, maio 08, 2009

Agostinho de Hipona - O Exame de Deus

God examines both rich and poor, not according to their lands and houses, but according to the riches of their hearts.

(Tradução) Deus examina tanto o rico quanto o pobre, não de acordo com suas terras e casas, mas de acordo com a riqueza de seus corações.

quinta-feira, maio 07, 2009

Jeová Não Existe!

Por mais estranho que o título deste artigo soe, é fato, JEOVÁ (Yehovah) não existe!

Não é curiosidade para ninguém que Deus é chamado por diversos nomes na Bíblia, como El Olam, Adonai, Eliom, El Elah, Elohim e muitos outros. Dentre todos os Seus nomes, nenhum é tão comentado como a tradução utilizada pelas Bíblias mais comuns na língua portuguesa: "SENHOR".

A tradução para "SENHOR" é proveniente da palavra de quatro consoantes hebraicas transcritas geralmente como YHWH na sua forma sem adições vocálicas.

YHWH
A vocalização destas quatro consoantes foi, durante muito tempo, dada como Jeová no português. Todavia esta forma está longe de ser a correta pronúncia de uma palavra já escrita nos primórdios da revelação específica de Deus.

Jeová nada mais é que a adição das vogais da palavra ADONAI para o Tetragrammaton, que desde a destruição do templo em 70 a.D. não foi mais pronunciada como outrora. Com o advento dos massoretas (sécs. VII - XI), escribas da língua hebraica, as vogais da palavra ADONAI foram introduzidas em YHWH, fabricando o pseudonome de Deus, JEOVÁ.

A palavra ADONAI
Os símbolos em preto da palavra acima são as letras hebraicas. O "alfabeto" (alefbeit) hebraico é formado somente por consoantes e os sinais em vermelho representam as adições vocálicas criadas pelos massoretas.

A palavra YHWH com sinais vocálicos de ADONAI
Note como os sinais vocálicos foram simplesmente transpostos à palavra "não falada". Existe sim uma pequena diferença do primeiro sinal (da esquerda, ordem de leitura do hebraico) por questões gramaticais, no entanto que traduz o mesmo carácter vocálico (a letra Alef - primeira letra de ADONAI - não admite shewa simples, como o yod - primeira letra da YHWH).

É verdade que a pronúncia correta do tetragrammaton é incerta, no entanto, possivelmente correta na proposta de William Gesenius, JAVÉ (Yahweh - abaixo).
Quero que ninguém deixe esta postagem sem entender a transposição dos sinais vocálicos de ADONAI para YHWH. Imaginem dois nomes, mas você somente conhece as consoantes do segundo nome: ANTONIO e "TNNH", por exemplo. ANTONIO também é conhecido por TNNH e aplicar as vogais do primeiro nome não tornam a pronúncia do segundo nome correta. Se eu colocar as vogais de ANTONIO (aoio) em TNNH, eu nunca terei o nome TONINHO, vocalização correta de TNNH. TNNH seria então aToNiNoH, ou TaNoNiHo. Sou incapaz de obter a palavra correta (TONINHO) por contar com as vogais erradas.

Assim, termino esta postagem como a iniciei: Jeová não existe, não insista!

quarta-feira, maio 06, 2009

Muitas Vozes: o Caso do Futebol

Gosto de jogar futebol. Às vezes jogo com um pessoal amigo durante uma hora e meia mais ou menos. Não sou bom jogador, mas me divirto por duas razões em especial: a presença dos amigos e o prazer da atividade física coletiva (não gosto de correr sozinho por exemplo).

Estudei futebol de campo e de salão durante meu tempo na faculdade. O desuso do conhecimento nos leva a esquecermos várias coisas sobre o tema, ou para aqueles que gostam de pensar "no formato da psicologia", de ter dificuldades em trazer à lembrança as informações e conhecimentos antes adquiridos.

Na minha infância joguei muito futebol e naquela época era um bom jogador (dos 7 aos 11 anos). Não continuei com o futebol porque fiquei fascinado com outro esporte que pratico até hoje, o basquetebol. Acho que o resquício da minha prática com o futebol daquela época permanece, mas como eu disse, do bom jogador de 11 anos.

É claro que em campo, entre estes amigos, eu sou o pior. Tento adaptar as qualidades que tenho do basquete para o futebol e isso muitas vezes surpreende os "peladeiros". Ainda assim percebo, e não somente neste contexto, que a pessoa que fala mais alto e mais vezes ganha o padrão do jogo correto: "passe curto", "bola no chão", "adianta", "cada um no seu", "não saia pelo meio"... Se você fizer algo que não seja o ideal definido por tal pessoa, você se torna passível de menosprezo por todos aqueles que já adquiriram o padrão daquele que fala muito e alto (que não necessariamente está errado).

Como eu disse, tenho muito prazer em jogar bola entre os amigos, mas devo ser um dos que mais recebe "puxões de orelha" por não executar continuamente "o padrão". Aliás, brasileiro que é brasileiro não joga bola no padrão. Acho que sou mais do tipo "quem não arrisca não petisca". Gosto de arriscar algumas bolas para dar mais chance de gol ou saída rápida. Faço isso com raciocínio. Claro, nem sempre funciona, mas também não necessariamente acaba com um gol do adversário. Fico triste quando, depois de tanto ouvir o que devo fazer, as pessoas que disseram para eu não fazer tal coisa fazem o mesmo. Pior é que não recebo sugestões (às vezes chega ao meu ouvido como ordem) de uma pessoa somente, mas de todo o time. Acabo de receber a bola e sou o último jogador da minha defesa. Assim que recebi a bola percebo que um jogador do meu time disparou em direção à área do adversário. Rapidamente noto que dificilmente acertarei um passe perfeito, mas existe a chance de funcionar... Enquanto pensava, diferentes frases ecoam em minha cabeça, mas não fui eu quem as criei. Cada jogador do meu time gritando ou dizendo: "meio", "sobe com ela" (ela = bola), "segura", "deixa" (goleiro atrás de mim), etc.

Talvez porque eu seja um amante do esporte, eu tenha satisfação em fazer analogias da vida com o desporto. Poderia tirar muitos exemplos de um simples jogo de futebol, mas preferi pensar nas diversas opiniões que são dadas a mim e outros jogadores que preferem não falar alto nem muito. Em outras palavras, as caóticas vozes que chegam ao meu ouvido dizendo o que tenho de fazer, colocando-me à avaliação de reter o que é bom.

Uma possível solução para o meu caso é dar crédito a um jogador experiente e inteligente e ouvir a sua voz. Na vida "n" opiniões serão dadas, mas precisaremos escolher qual seguiremos se é que seguiremos. Ainda assim, uma voz não pode ser desprezada, a voz de Deus. Agora, então, meu filho, ouça-me; não se desvie das minhas palavras (Pv 5.7 - veja também 7.24).

No caso do futebol, alguns estão enganados na melhor sugestão do que se fazer. Outros, sugerem determinada ação porque teme que você perca a bola, mas creio que a maioria sugere precidimentos válidos, porém diferentes. No caso da vida as dicas dadas também segue um semelhante padrão. Alguns não dão a melhor sugestão porque temem a competição. Alguns nada sugerem e outros, dizem opções ilegítimas. Ainda assim, creio que a maioria das vezes as sugestões são válidas, com resultados semelhantes, mas procedimentos diferentes. É preciso discernir bem que sugestão acatar, mas antes, entender que é necessário escutar a Deus, uma voz calma, serena e tranquila.

Dar ouvidos a Deus é ler Sua palavra e orar. Acho que Deus nunca deixou de falar audivelmente, mas estes são casos raríssimos. Sua palavra é perfeita e requer que nós nos atentemos a ela da forma que assim é devida. Preste atenção nas vozes. Discirna-as e fique com o que é bom, mas não use estes mesmos filtros para a voz de Deus. Pois o SENHOR é quem dá sabedoria; da sua boca procedem o conhecimento e o discernimento (Pv 2.6).

segunda-feira, maio 04, 2009

C. S. Lewis - A importância do Cristianismo

Christianity, if false, is of no importance, and if true, of infinite importance. The only thing it cannot be is moderately important.

(Tradução) O cristinismo, se falso, não será importante; se verdadeiro, será de infinita importância. A única coisa é que não pode ser de mais ou menos importante.

-- C. S. Lewis